Virei adulto e nem percebi…
A lembrança é minha espada
Minha dor é meu escudo
Vivo o passado no cerrar dos olhos
Os ouvidos atentos àquela música
Refaz o incrível momento do reviver
E a nostalgia vira o sentimento que convém
A felicidade fica confusa
Escutando, vem uma agonia
E a garganta aperta, forte, chove memórias
Um choque de realidade, e mostra-se o presente
É quando o simples abrir dos olhos
Resulta o retorno ao triste fim
Na juventude, testar era o limite.
No presente, o limite é instantâneo
A certeza que o tempo define
Sua lembrança, afiada espada
E o escudo, tamanha dor

Andrey Montenegro Escarião