Tantas redes acordadas
Sociáveis inconsequentes
Tal teoria pré-moldada
Apresenta fotos inocentes

Tempo escorre pelos dedos
Teclando o desnecessário
Gente mascara seus medos
Com histórico e inventário

Tantos pseudointeligentes
Na noite conversando água
Cegos perdem suas mentes
Dizem afogada mágoa

Chega é triste a leitura
Meninas felizes sem futuro
Vivem vida tão imatura
Mentem o orgulho puro

De mera à conversa fiada
Vê, acreditam nessa farsa
Torna pais inconsequentes
Agilizam tremenda desgraça

Dito cujo, cujo mijo
Saia rasgando sem utopia
Dislexia, digo, finjo
Maltrata enquanto ria

Até mais ver linha do tempo
Tremendo tecla regra ativa
Quebra o pensamento por dentro
Atira rede, morte e viva

Andrey Montenegro Escarião